A compreensão do mercado sobre possibilidades de ensino à distância vem se modificando.

Pesquisando para um futuro projeto, me deparei com alguns dados interessantes sobre instituições de ensino, e a forma como o mercado tem evoluído no Brasil.

A ABED, Associação Brasileira de Educação à distância publica há quatro anos um censo realizado entre cerca de 300 instituições e empresas de desenvolvimento de soluções para este mercado.

Numa rápida análise dos dados do censo da ABED - Associação Brasileira de Ensino à distancia publicados para o biênio 2015-16, é possível ter um panorama da situação do mercado.

O censo baseia-se nas respostas de 368 instituiçãos divididas para efeito de análise em instituições formadores e fornecedoras de EAD.

A ABED classifica a oferta de cursos em quatro categorias:

  • Regulamentados totalmente à distância
  • Regulamentados semipresenciais
  • Livres corporativos
  • Livres não corporativos

Numeros gerais do setor

  • 5.000.000 de matíiculas em todas as modalidades em nível nacional
    O estado de SP corresponde a 22% deste número
  • 50.000 profissionais empregados no setor sendo 20.000 professores e 30.000 tutores
    Valores médios de pagamento - R$31/R$45 por hora/aula em média, dependendo da região.

A média observada é de um profissional de operação para cada 1000 estudantes.

  • Tamanho médio de turmas por curso é entre 30-55 inscritos
  • Taxas de evasão, maiores em cursos totalmente presenciais (cercda de 60%)
    na modalidade semipresencial essas taxas ficam em torno de 40$

Opiniôes de instituições formadoras

Para efeito dessa análise, é possível compreender o perfil das instituições fornecedoras de soluções, e os desafios de crescimento do setor. Dentre as opiniões de instituições formadoras que oferecem serviço de EAD destaco:

  • Oferecer EAD exige inovação tecnológica constante
  • Oferecer EAD exige padrão de infraestrutura tecnológica mais complexo que o presencial
  • O corpo docente da minha instituição acredita que a EAD permite atingir públicos que não poderiam estudar em formato 100% presencial
  • Oferecer EAD exige inovação constante de processos administrativos
  • Oferecer EAD exige o desenvolvimento de estruturas complexas de apoio ao aluno.

Cada vez mais cresce a demanda por serviõs especializados, de intergração com sistemas acadêmicos e abre-se campos de atuação para profissionais com experiência em TI.

Processos administrativos internos e adoção de soluções tecnológicas

  • Os ambientes de aprendizagem integrados aos sistemas acadêmicos não chegam a 50%.
  • Mais de 60% das instituições optam pelos ambientes de aprendizagem de software livre, customizados pelas próprias instituições, para todos os tipos de cursos. (Efeito Moodle)
  • Nos cursos a distância (de todos os tipos), a exploração de todos os tipos de comunicação com o aluno, da distribuição de conteúdos e dos repositórios de aprendizagem, incluindo livros impressos e bibliotecas físicas, é superior em comparação aos cursos presenciais. (Melhor uso da estrutura).

Tendências observadas

A pesquisa acusa a crescente adoção de soluções profissionais de gestão de tecnologia para EAD. As instituições do Sistema S consultadas tendem a tercerizar este fornecimento, tendo no ano de 2015 19 forncedores ativos,

  • A maioria das instituições apresentou níveis de investimento, rentabilidade e matrículas estáveis em 2015.
  • Há previsão de aumento de investimentos para 2016: 24,91% das instituições pretendem aumentar seus investimentos, 20,48% pretendem mantê­‐los e 6,35% pretendem reduzi­‐los.
  • A modalidade preferencial para ampliação entre as entidades consultadas é o semipresencial

Sobre empresas fornecedoras de soluções

  • 60% encontram-se no sudeste, 38% são de São Paulo. 45% são micro empresas, são 35% grandes empresas.
  • São empresas especializadas: Para 44% dessas organizações, a EAD corresponde a 76%‐100% de seus rendimentos.

Ainda é muito alta a concentração de oferta de serviços de tecnologia no sudeste. A interiorização, na minha perspectiva é algo a se buscar para o futuro se quisermos ter um país competitivo em negócios que não sejam gado e soja.

Destaques de opinião do setor

O licenciamento de software e conteúdo tende a ser de direito autoral padrão, com uma prática muito pouco frequente de licenciamentos alternativos.
(REA- Recursos educacionais abertos)

Entre as preocupações das empresas fornecedoras, destacam‐se a concorrência, o custo de produção, a redução da demanda e a falta de compreensão dos clientes sobre suas próprias necessidades.
Essa falta de compreensão do cliente é resultado da dificuldade para os decisores em visualizar as possibilidades de uso de tecnologias e métodos modernos de desenvolvimento.

Tenho estudado mercados para atuação, e efetivamente, EAD parece um campo promissor, bem longe da saturação, e com boas perspectivas para inovar.

Previous Post

Escreva um comentário

Comentários

"Educação" de qualidade nunca faz falta! Vale a pena uma análise sobre os sistemas disponíveis no mundo GNU, não é fácil encontrar soluções para problemas cotidianos
Publicado em Sat, 31 Dec 2016 22:57:23 por C Diego

pbelasco.org CC-BY-NC 4.0